Terceira edição do Fórum Estadual do Agronegócio registrou público de mais de mil pessoas em dois dias

O fórum contou com palestras e painéis de nomes renomados da agricultura brasileira

 

Com o tema “Situação e Perspectivas”, o III Fórum Estadual do Agronegócio reuniu um público superior a mil pessoas nos dias 15 e 16 (sexta e sábado) de junho no Gran Palazzo Centro de Eventos, em Passo Fundo. O evento, que foi promovido pelo Instituto de Ciências Agronômicas (Incia), teve a participação de 16 palestrantes de todo o Brasil e contou na noite de sexta (15) com a palestra magna do ex-ministro da Agricultura e Abastecimento, Roberto Rodrigues.

Para o diretor do Instituto Incia e coordenador do evento, professor doutor Elmar Luiz Floss, o fórum consolidou Passo Fundo como um grande centro de convergência dos debates técnicos, políticos e econômicos do agronegócio nacional.  “A novidade neste ano foi realizar o fórum em dois dias e proporcionar aos espectadores uma maior interatividade com as empresas parceiras no espaço de exposição, o que gerou a prospecção de negócios e troca de conhecimento”, pontuou.

Sobre a programação, Floss ressaltou que foi pensado em fazer um paralelo entre as questões que mais atingem o produtor rural: clima, mercado de grãos e cenário político/econômico. Sobre clima, houve a palestra do engenheiro agrônomo e agro meteorologista Marco Antônio dos Santos, de São Paulo. Na sexta-feira, ele salientou as perspectivas climáticas para as safras de inverno e verão. Na parte de mercado de grãos, também na sexta-feira, o engenheiro agrônomo e consultor de mercado, Flávio Roberto França Júnior, explicou para os participantes do evento como ganhar mais na comercialização das commodities e com o que o produtor deve se preocupar em um ano eleitoral. Com relação ao cenário político e econômico, o engenheiro agrônomo e doutor em administração pela Universidade de São Paulo (USP), Marcos Fava Neves, palestrou no fórum com o tema “agronegócio brasileiro: presente e futuro”. Reflexões sobre as práticas usadas e o que é tendência foram destacadas pelo engenheiro agrônomo. Ele frisou nos próximos dez anos o agronegócio brasileiro vai gerar um adicional de cerca de um trilhão de reais.

Foto: Instituto Incia

Painéis

 

Os assuntos técnicos da agricultura também tiveram espaço na programação do evento.  Ao total, três painéis técnicos puderam ser vistos. Na sexta (15), no turno da tarde, “Manejo fitossanitário de culturas de lavoura”. No sábado (16), “Nutrição e adubação racional de culturas de lavoura” e “Avanços biotecnológicos nas culturas da soja e milho”. Este último, contou com as presenças do engenheiro agrônomo PhD. Geraldo Berger, da Monsanto/SP e do engenheiro agrônomo Dr. Alexandre de Lima Nepumoceno, da Embrapa Soja/PR.

 

Quarta edição do fórum

 

Na cerimônia de encerramento do fórum, na tarde de sábado (16), o professor doutor Elmar Luiz Floss confirmou a realização da quarta edição do fórum estadual do agronegócio, em 2019. Ainda sem data confirmada, o fórum deve acontecer em junho do próximo ano. “O que já temos de confirmado será um painel sobre as mulheres do agronegócio, visto a importância e a crescente participação feminina no meio”, finalizou.

Foto: Instituto Incia

 

“Agro é paz e é brasileiro”, afirma Roberto Rodrigues em Passo Fundo

O ex-ministro da Agricultura realizou a palestra magna no III Fórum Estadual do Agronegócio na noite de sexta (15)

 Ana Cláudia Capellari

Mesmo com a temperatura baixa, característica do sul do país nesta época do ano, o auditório do Gran Palazzo registrou um alto número de pessoas para assistir a palestra magna da noite de sexta-feira (15), do III Fórum Estadual do Agronegócio.  Quem palestrou foi o ex-ministro da Agricultura e Abastecimento, Roberto Rodrigues. Considerado pelo setor do agronegócio uma das maiores lideranças, Rodrigues chefiou a pasta de 2003 até 2006 e incluiu em seu currículo importantes avanços para a agricultura, como por exemplo, a lei de biossegurança e biotecnologia, no ano de 2005.

Em solo gaúcho, Rodrigues afirmou que o agronegócio é e continua sendo o setor fundamental para segurar a economia nacional em tempos de crise. “O agronegócio brasileiro representa um quarto do PIB nacional, gera um terço dos empregos do país, é responsável pelo saldo comercial do país, se não fosse o agro, estaríamos no déficit há muitos anos, isso permite salvar as nossas reservas em moedas estrangeiras”.  E complementou:  “Com uma característica curiosa: nestes últimos três anos de desemprego muito grande no país, o único setor que desempregou pouco foi o agro,  e além disso, dada a circunstância de que os modelos de gestão evoluíram muito, a mecanização, hoje a massa salarial que o campo paga, é maior que a do passado, ainda que tenha diminuído o número de empregados”.

 

Foto: Instituto Incia

 

Greve dos caminhoneiros e tabelamento

Uma das reinvindicações dos caminhoneiros após a paralisação de quase duas semanas, foi o tabelamento dos preços dos fretes pelo Governo Federal. Rodrigues salientou que o tabelamento de preços não é uma saída adequada para a resolução do problema. “Todas as vezes em que se fez tabelamento deu errado, não podia ser diferente agora. No entanto, há uma realidade que é preciso resolver no país: os custos ficam elevados para os produtores e os resultados financeiros não são suficientes para os transportadores, de modo que a solução passa forçosamente pela reforma tributária”.   Para ele, o caminho para o Brasil sair da crise passa pela aceitação das reformas, desde a tributária até a política.  “A área ambiental tem que ser reformulada de uma forma mais consistente e com a modernidade brasileira, então o que é essencial é cuidar das reformas e a tributária tem o condão de mexer na questão do frete em definitivo”.

 

Política, agronegócio e segurança alimentar

Com relação ao cenário eleitoral de 2018, o ex-ministro ressaltou que esta eleição presidencial pode ser considerada a mais importante dos últimos 20 ou 30 anos, visto os problemas econômicos e financeiros que o país passa. “Nós vamos para uma eleição que tem duas possibilidades: ou vamos eleger um governo reformista ou podermos eleger um governo populista. Um governo reformista é o que precisamos para tocar em frente todas as questões que foram colocadas, reforma tributária, previdenciária, política, em busca da modernização e da segurança jurídica para o país. Um governo populista pode ‘descambar’ para um universo cujas consequências podem ser graves num nível de Venezuela, por exemplo, então é preciso muita preocupação, muito juízo na hora de votar”. Em específico para o agronegócio, ele comentou que está trabalhando em um projeto que pretende tornar o Brasil campeão mundial da segurança alimentar. “Estamos montando um plano de Estado, não é de governo, se fosse um plano de governo para o agro, teria que ter o plano do comércio, da indústria, da aviação… Teríamos 50 planos e o governo que se elegeria não tem condições de atender todos e não atenderia a nenhum. Foi montado um projeto que não tem o objetivo de proteger ou criar vantagens para o agro, tem um objetivo mais amplo, que é de transformar o Brasil no campeão da segurança alimentar. Por que? Porque você pode ficar sem qualquer coisa, menos sem alimento”. Rodrigues destacou que este é um plano que agrega os meios rurais e urbanos em busca de união. “Eu sou produtor rural e passei boa parte da minha vida criticando a sociedade urbana por não respeitar o agro, por não olhar com carinho, não valorizar o agro e critiquei muito por uns 40 anos.  Se eu criticar ‘você’, ao invés de ‘você’ gostar de mim, cada vez mais ‘você’ terá raiva de mim, então quanto mais a gente critica o setor urbano, menos eles se aproximam ‘da gente’. E hoje eu vejo com clareza, eu sou um bom produtor rural e agrônomo, mas não faço nada sem adubo, sem fertilizantes, sem defensivos, sem máquinas agrícolas, tudo é fabricado em empresas urbanas”. De acordo com Rodrigues, o projeto passou pela avaliação de centenas de entidades de classe e o lançamento está marcado para o dia 30 de junho.  A expectativa é de que os integrantes do projeto possam conversar com os coordenadores de campanha dos candidatos à presidência da república, para explicar o plano e conseguir o compromisso dos mesmos. “O que o agro pode esperar ou deve esperar: que qualquer que seja o candidato eleito, ele tenha a clareza da importância do setor e assuma um plano que não tem nenhum pedido, demanda, ao contrário, o agro brasileiro está fazendo uma oferta ao mundo e ao governo brasileiro para que seja o campeão mundial da paz”.

 

O que é o agronegócio?

“Agro é paz! E principalmente é nosso, agro é brasileiro!”, finalizou.

 

Agro e as eleições: com o que o produtor rural deve se preocupar

Outubro é mês decisivo dentro e fora da porteira, afirma consultor de mercado que palestrou no III Fórum Estadual do Agronegócio

 

O trabalho na propriedade rural pode ser dividido em duas áreas: dentro e fora da porteira. A parte de dentro, o produtor consegue controlar com mais facilidade, exceto o clima. Manejo, cuidados com o solo, sementes, plantio e colheita estão cada mais vez digitais e na mão do agricultor. A parte de fora, onde envolve mercado, preços, economia e estabilidade nacional, fogem das mãos dos produtores.

A parte política, que influencia nos preços e tomadas de decisões de mercados internos e externos, é quesito de destaque no Brasil. Outubro é o mês das eleições e ainda há incertezas sobre o cenário eleitoral. Um candidato pró mercado ou pró Estado vence as eleições? De que o agronegócio será afetado com essas possibilidades? Para o engenheiro agrônomo e consultor de mercado, Flávio Roberto França Júnior, que palestrou na terceira edição do Fórum Estadual do Agronegócio, ontem (15), se a eleição tiver como vencedor um candidato reformista, ou seja, que faça as reformas que o país, na sua visão, precisa, o dólar vai abaixar. “Seguramente, eu afirmo que o dólar pode ficar abaixo dos R$3,50. Melhoria o aspecto do país para se voltar a investir, abrir os mercados, privatizações, diminuir o tamanho do Estado, essa ineficiência que a gente tem hoje, então eu acredito que a eleição for nesse sentido, melhora muito o ambiente para tudo, negócios e investimentos, no setor do agro todo mundo sai ganhando”, destacou.

Foto: Instituto Incia

 

Por outro lado, França Jr ressalta que caso o caminho escolhido seja outro, o de populismo e Estado inchado, os problemas irão aparecer. “Se isso acontecer e pode acontecer, será grave. O câmbio vai estourar, será usado métodos que não funcionam, não serão feitas as reformas, o que a equipe econômica [do governo Michel Temer, desde 2016] fez de certo nesses dois anos vai por água abaixo, e nós voltamos para o cenário de 2015”, afirmou. Para ele, um candidato com esta postura não traria benefícios ao ambiente político brasileiro.

 

 

Clima: o que esperar para as safras de inverno e verão?

Previsão climática destacada no III Fórum Estadual do Agronegócio pode animar os produtores rurais do Sul

 

Antes do plantio das culturas de lavoura, diversos produtores se preocupam em olhar a previsão do tempo. O clima, que é uma incógnita, é um dos fatores decisivos para uma boa safra. O engenheiro agrônomo e meteorologista Marco Antônio dos Santos, da Rural Clima/SP, que palestrou no III Fórum Estadual do Agronegócio, acredita que os gaúchos terão condições favoráveis para os plantios. “Os produtores terão duas condições que as lavouras de inverno, como trigo e cevada, gostam: umidade e temperatura baixa”, diz.

Para a safra de verão, Santos destaca que a tendência é de que em setembro e outubro ocorram chuvas um pouco acima da média esperada para a época, o que pode atrapalhar o início do plantio das culturas. No entanto, ressalta que este atraso não deve trazer prejuízos aos produtores.  “Há uma tendência para que depois de outubro as chuvas se normalizem, voltem a ser mais regulares e espaçadas até o final do verão, ou seja, o Rio Grande do Sul vai ter um clima excepcional tanto no inverno quanto na safra 2018-2019”, finaliza.

Foto: Instituto Incia

Sobre os Fóruns

 

O fórum é realizado desde o ano de 2016 e conta com a presença de produtores rurais da região, estudantes de áreas relacionadas, técnicos agrícolas e empresas do setor. Neste ano, a questão climática foi incluída na programação após uma sugestão de conteúdo vinda dos outros anos, visto que o clima é um fator chave para os agricultores.

A programação de sexta-feira acontece até a noite, onde será realizada a palestra magna com o ex-ministro da Agricultura e Abastecimento, Roberto Rodrigues.  No sábado, as palestras iniciam pela manhã e seguem pelo turno da tarde.

 

 

“Esse é o momento de estar na agricultura”, aponta o Eng. Agr. Dr. Marcos Fava Neves

Palestrante do III Fórum Estadual do Agronegócio destacou o momento positivo que o agronegócio brasileiro vive

 

 

O III Fórum Estadual do Agronegócio, que teve início hoje (15), em Passo Fundo, contou com a palestra de abertura do engenheiro agrônomo e doutor em administração pela Universidade de São Paulo (USP), Marcos Fava Neves.

Fava Neves destacou em sua palestra que o agronegócio brasileiro, que registrou nesta safra mais um recorde – de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o volume colhido atingiu mais de 116 milhões de toneladas -, vive um momento positivo e que é a hora para todos os produtores rurais serem otimistas, mesmo com os empecilhos que o país impõe.  “É preciso desmontar parte deste aparato estatal, gordo e ineficiente, que só atrapalha os produtores que geram riqueza”.

Foto: Instituto Incia

 

Em sua palestra, moderada pelo engenheiro agrônomo mestre Luiz Gustavo Floss, Neves salientou a importância da mudança nas atitudes dos brasileiros, quando comparada a de outros países. “Eu estava na África do Sul há pouco tempo e a agenda deles é muito parecida com a nossa, de greves, bloqueios, invasão, de terceiro mundo, os americanos e europeus já são de inovação, abrir os mercados, sustentabilidade, nós precisamos abandonar a agenda de greves, bloqueios, crimes, Estado inchado, precisamos mudar, peço engajamento, em outubro, para conseguir avançar democraticamente”.   Ele ainda destacou que não é necessário trabalhar em um tabelamento de preços no Brasil, pois isso o mercado define, mas sim trabalhar nos custos, para que sejam diminuídos e a margem de lucro do produtor aumente.

 

Fórum

 

A programação do fórum segue até amanhã (16). Na noite de hoje, haverá a palestra magna do Ex-ministro da Agricultura e Abastecimento, Roberto Rodrigues, a partir das 19h30.

 

Situações e perspectivas do agronegócio serão debatidas em Passo Fundo

Fórum estadual é realizado há três edições e conta com a participação de nomes renomados da agricultura brasileira

Pelo terceiro ano consecutivo, Passo Fundo será palco do III Fórum Estadual do Agronegócio. O evento ocorrerá nos dias 15 e 16 de junho, no Gran Palazzo, Centro de Eventos.  Durante os dois dias de evento, dividido em painéis e palestras, o fórum trará debates técnicos, políticos e econômicos sobre o setor do agronegócio.

De acordo com o professor e engenheiro agrônomo Elmar Luiz Floss, do Instituto Incia (Instituto de Ciências Agronômicas), que promove o fórum, a expectativa para 2018 é receber um público superior a 800 pessoas. Tradicionalmente realizado em junho, o fórum conta com a presença de produtores rurais da região norte, estudantes de áreas relacionadas e empresas do setor agrícola. “Diante da aceitação e da importância do agronegócio brasileiro, vamos realizar a terceira edição do fórum, que nesse ano vai acontecer em dois dias, para facilitar e aumentar a interação entre os participantes, palestrantes e empresas”, observa.

Dentre os palestrantes dessa edição, destaca-se a participação do ex-ministro da Agricultura e Abastecimento e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberto Rodrigues. Rodrigues foi ministro da pasta durante os anos de 2003 até 2006.  O ex ministro fará a palestra magna no fórum com o tema “a produção de alimentos como política de paz no mundo”. Na oportunidade, receberá a “Comenda Ceres”, por relevantes serviços prestados ao agronegócio brasileiro.

Sobre os fóruns

Com a promoção do Instituto Incia, o fórum é realizado desde o ano de 2016 e tem por objetivo proporcionar a todos os elos da cadeia produtiva uma reflexão sobre o passado, presente e o futuro do meio agrícola.

 

Serviço

Quando: 15 e 16 de junho de 2018

Local: Gran Palazzo – Centro de Eventos – RST 324, km 6 – Distrito Industrial, Passo Fundo.

Inscrições: www.incia.com.br

Investimento: Profissionais/produtores: R$ 200

Estudantes: R$ 100

R$ 50 + almoço + 1 refrigerante ou água – opcional.

 

Mais informações: (54) 3327-0070 ou (54) 9 8144-7983 com Ariane

 

 

Produção mundial de alimentos pode ser liderada pelo Brasil nos próximos anos cinco anos

País atualmente ocupa a segunda posição no ranking e busca liderança nas exportações

Em quarenta anos, o Brasil passou de importador de alimentos para o segundo maior exportador mundial. São produzidas em terras brasileiras quatro vezes mais do que o necessário para alimentar a população. No entanto, os números no comércio mundial ainda são baixos: apenas 7% do que é comercializado a nível agrícola pertence ao Brasil. A expectativa do Ministério da Agricultura é, em cinco anos, elevar para 10% a participação brasileira nas vendas

Nesse sentido, o ex-ministro da Agricultura (2002-2006), professor e consultor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberto Rodrigues, irá palestrar na terceira edição do Fórum Estadual do Agronegócio. O evento ocorre nos dias 15 e 16 de junho, em Passo Fundo, no Gran Palazzo centro de eventos.

Com a palestra magna “A produção de alimentos como política de paz no mundo”, na noite do dia 15/06, uma das principais lideranças do agronegócio brasileiro vem a Passo Fundo para receber a ‘Comenda Ceres’, título concedido pelos relevantes serviços prestados ao setor produtivo.

 

Sobre os fóruns

Com a promoção do Instituto de Ciências Agronômicas (Incia), o fórum é realizado desde o ano de 2016 e tem por objetivo debater aspectos econômicos, políticos e técnicos do agronegócio.  Neste ano, o evento será realizado em dois dias para aumentar a interação entre participantes e empresas patrocinadoras.

 

Serviço

Quando: 15 e 16 de junho de 2018

Local: Gran Palazzo – Centro de Eventos – RST 324, km 6 – Distrito Industrial, Passo Fundo.

Inscrições: www.incia.com.br

Investimento: Profissionais/produtores: R$ 200

Estudantes: R$ 100

R$ 50 + almoço + 1 refrigerante ou água – opcional.

 

Mais informações: (54) 3327-0070 ou (54) 9 8144-7983 com Ariane

Mesmo com safra de verão menor, Brasil mantém protagonismo no agronegócio

Especialista que virá ao III Fórum Estadual do Agronegócio acredita que o agronegócio foi o salvador da economia nacional em 2017

 De acordo com o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado em abril, a safra de grãos 2017/2018 teve uma redução de 3,4% em relação à safra anterior. Os motivos, ainda segundo a companhia, se devem a parte climática. Entretanto, a safra que está em fase de finalização em algumas localidades já é considerada a segunda maior da história, com estimativa de 229,53 milhões de toneladas de grãos.  A Conab observa que o número positivo é resultado do crescimento da produção de soja e milho primeira safra.

Para o engenheiro agrônomo e doutor em administração pela Universidade de São Paulo (USP), Marcos Fava Neves, mesmo com essa redução, o cenário que se firma para o restante de 2018 é de preços razoáveis e de mercados a serem explorados. “Será preciso fortalecer as relações de troca e traçar estratégias para captar mercados com rapidez. Oferecer aquilo que o mercado deseja. Se o comprador quer boi vivo, que se exporte boi vivo, por exemplo,”, comenta.

Fava Neves será um dos palestrantes do III Fórum Estadual do Agronegócio, que ocorrerá nos dias 15 e 16 de junho, em Passo Fundo, no Gran Palazzo, centro de eventos. Com a palestra “O Agronegócio brasileiro: presente e futuro”,  na manhã do dia 15/06, o doutor em administração pretende trazer aos ouvintes uma reflexão sobre os rumos do setor que, na sua visão, tirou a economia da recessão no ano passado. A palestra será moderada pelo professor e engenheiro agrônomo Dr. Elmar Luiz Floss.

 

Sobre os fóruns

Com a promoção do Instituto de Ciências Agronômicas (Incia), o fórum é realizado desde o ano de 2016 e tem por objetivo debater aspectos econômicos, políticos e técnicos do agronegócio.  Neste ano, o evento será realizado em dois dias para aumentar a interação entre participantes e empresas patrocinadoras.

 

Serviço

Quando: 15 e 16 de junho de 2018

Local: Gran Palazzo – Centro de Eventos – RST 324, km 6 – Distrito Industrial, Passo Fundo.

Inscrições: www.incia.com.br

Investimento: Profissionais/produtores: R$ 200

Estudantes: R$ 100

R$ 50 + almoço + 1 refrigerante ou água – opcional.

 

Mais informações: (54) 3327-0070 ou (54) 9 8144-7983 com Ariane

Transformar o Brasil em campeão mundial da segurança alimentar é tema de projeto coordenado por ex-ministro da Agricultura

O projeto envolve a discussão de temas como sustentabilidade, tecnologia e política

O ex-ministro da agricultura e abastecimento (2002-2006), Roberto Rodrigues está à frente de um projeto que promete fazer do Brasil o campeão mundial da segurança alimentar. Elaborado por diversos profissionais de áreas relacionadas às políticas públicas, o projeto deve ser entregue a sociedade em meados de junho deste ano.

De acordo com Rodrigues, o projeto não é da agropecuária brasileira, mas sim do Estado, visto que os agricultores precisam de outros setores da economia para produzir.  O programa completo também será apresentado a todos os candidatos a presidência da República (quando estes estiverem definidos).

Ainda de acordo com o ex-ministro, o projeto tem como base a paz e que não é possível alcançar a mesma se a população sente fome. O programa vai gerar discussões de aproximadamente 15 temas, como sustentabilidade, tecnologia e política.

Para tratar de segurança alimentar e outras pautas, o ex-ministro será um dos palestrantes na terceira edição do Fórum Estadual do Agronegócio, que ocorre em Passo Fundo, nos dias 15 e 16 de junho. O evento, que é uma promoção do Instituto de Ciências Agronômicas (Incia), terá a palestra magna do ex-ministro na noite do dia 15/06, às 19h15, com o tema “A produção de alimentos como política de paz no mundo”.   Para fechar a participação no Fórum, Rodrigues receberá a ‘Comenda Ceres’, título concedido pelo Instituto Incia aos seus importantes serviços prestados ao agronegócio brasileiro.

Serviço:

Quando: 15 e 16 de junho de 2018

Local: Gran Palazzo – Centro de Eventos – RST 324, km 6 – Distrito Industrial, Passo Fundo.

Inscrições: www.incia.com.br

Investimento: Profissionais/produtores: R$ 200

Estudantes: R$ 100

R$ 50 + almoço + 1 refrigerante ou água – opcional.

Mais informações: (54) 3327-0070 ou (54) 9 8144-7983 com Ariane.